Laboratório de Leitura

Humanização por meio dos livros

Nem clube de leitura, nem Biblioterapia. O que melhor pode definir o Laboratório de Leitura (LabLei) é o conceito de vivência humanística por meio dos livros.

Nascido em 2003 como um experimento educacional para estudantes da Escola Paulista de Medicina – hoje Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) -, pelas mãos do historiador, pesquisador, palestrante, escritor e Profº Pós-Dr. Dante Gallian, o LabLei se diferencia de outras práticas relacionadas à leitura de livros por possuir fundamentação teórica e metodológica própria.

Estruturado em uma dinâmica de ciclos, o Laboratório promove encontros sobre uma mesma obra – geralmente, clássicos universais da Literatura -, permitindo um aprofundamento que, em geral, os clubes de leitura tradicionais não permitem. Com isso, espera-se que a regularidade desses encontros, aliada ao debate em torno de peculiaridades dos títulos, possa promover a mobilização dos afetos, da inteligência e da vontade dos participantes, com o único objetivo de fomentar o debate de questões essenciais da existência humana e, assim, estimular a humanização.

Este aspecto, aliás, é o que diferencia o Laboratório de Leitura da Biblioterapia: enquanto o LabLei foca na perspectiva da humanização – e baseia-se numa experiência coletiva, e não individual -, a Biblioterapia prescreve materiais de leitura com função terapêutica.

Os resultados, no entanto, às vezes são bem similares. No livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma (Martin Claret; 2017), Profº Dante Gallian, o criador do Laboratório e de sua metodologia, reúne depoimentos de participantes que descreveram como “profundamente terapêuticos” os efeitos da vivência literária conduzida na atividade. “Ninguém duvida que a leitura dos grandes clássicos da literatura universal seja um meio privilegiado para nosso desenvolvimento intelectual e cultural”, comenta Gallian. “Mas o que o LabLei tem demonstrado é que a leitura e discussão coletiva desses clássicos também propicia um poderoso efeito humanizador e terapêutico, que vem transformando a vida de muitas pessoas. Daí a ideia de que esses livros

podem nos curar de muitas ‘doenças da alma’.”

Atividade integrante de um selo de Responsabilidade Humanística, conceito também criado e sistematizado pelo Profº Dante Gallian, o Laboratório de Leitura pode ser aplicado em centros culturais, instituições de ensino, grupos particulares e empresas, como treinamento corporativo e capacitação humanística de colaboradores.

Em São Paulo (SP), há ciclos regulares do LabLei no centro cultural Casa Arca – Humanidades, Artes & Ofícios, mantido por Dante Gallian.

Ricardo Mituti e o Laboratório de Leitura
O escritor e comunicador Ricardo Mituti é coordenador certificado do Laboratório de Leitura e está apto a aplicá-lo em quaisquer ambientes. Da mesma forma, agencia o Profº Dante Gallian para palestras e eventos.

Informações e cotações podem ser obtidas pelo e-mail [email protected].

Referências
Para melhor compreensão do Laboratório de Leitura, seus efeitos e o potencial humanizador dos livros, assista aos vídeos abaixo:

  • Entrevista de Dante Gallian ao EPÍGRAFES #23
  • Apresentação do Laboratório de Leitura por Dante Gallian, com depoimentos de participantes
  • Lançamento do livro A Literatura como Remédio – Os Clássicos e a Saúde da Alma, com debate sobre Humanismo e os livros entre Dante Gallian e Leandro Karnal, prefaciador da obra